Redes Sociais

Giro pelo Mundo

Homem retira escada e deixa técnico pendurado no poste após corte de energia

Publicado há

em

Revoltado ao ter seu fornecimento de energia elétrica interrompido, um cliente retirou a escada e deixou pendurado no poste o técnico que executou o serviço. O caso ocorreu na última segunda-feira no Pará, na cidade de Barcarena, que fica a 114 quilômetros da capital Belém.

De acordo com testemunhas, o homem alegou que estava em dia com os pagamentos e que, por este motivo, o técnico não deveria cortar sua luz. Diante da insistência do técnico, ele teria, então, removido a escada. Uma imagem mostra o funcionário das Centrais Elétricas do Pará (Celpa) pendurado no alto do poste.

Nas redes sociais, moradores da região comentaram o episódio. Uns criticaram o atendimento dos técnicos da empresa, enquanto outros reprovaram a atitude do cliente por considerar que o funcionário estava apenas cumprindo ordens. De acordo com uma vizinha, o rapaz teria ameaçado o técnico com um facão.

“Sou vizinha, vi quando ele jogou a escada e ficou xingando os rapazes da Celpa. Um deles correu aqui para dentro da loja, pois o consumidor estava com um facão”, relatou uma mulher.

De acordo com um amigo do cliente, ele teria sido enganado pelo técnico. Ao argumentar que estava com os boletos em dia, o funcionário pediu que ele buscasse os papéis para comprovar o pagamento, e o cliente teria atendido. Ao retornar, porém, o técnico já teria interrompido a energia, gerando toda a confusão.

“A história é outra. Lógico que isso não justifica a agressão, mas não houve bom senso por parte do prestador de serviços. Isso só serve para provar que o cinto de segurança que ele usava funciona muito bem”, opinou.

Um terceiro deu razão ao rapaz, dizendo que ele mesmo já tinha feito algo parecido com técnicos da Celpa — e por mais de uma vez.

“Nós consumidores e pais de família às vezes perdemos sim a cabeça com esses funcionários arrogantes da rede Celpa. Eu mesmo já joguei um com a escada e tudo duas vezes quando ele subiu no poste. Eu sei muito bem o que poderia ter acontecido com ele. Porém, eu fui destratado e insultado pelo amigo dele e, mesmo provando que eu estava em dia com os pagamentos, ele disse que tinha uma ordem de corte e não me deixou nem ligar para a Celpa e para pedir explicações. Mas, graças a Deus, foi só um susto e duas quedas, nada mais”, contou um homem.

Em nota, a Celpa afirmou que “repudia todo e qualquer ato de violência, assim como ações que venham a colocar em risco a vida de pessoas que estão atuando na prestação de serviços”. A concessionária informou que acompanha a apuração do caso junto às autoridades e que “tomará as medidas legalmente cabíveis para coibir práticas desta natureza”.

JORNAL EXTRA

Publicidade

Giro pelo Mundo

Após briga, homem é suspeito de decapitar vítima e andar pela rua com sua cabeça

Publicado há

em

Redação VN
redacao@varelanoticias.com.br

Um homem que foi decapitado na cidade de Frutal, na região do Triângulo Mineiro, a 628 km de Belo Horizonte.
O suspeito de cometer o crime, teria caminhado pela rua até a casa de uma tia com a cabeça da vítima.

O caso ocorreu durante a comemoração de aniversário de 45 anos da vítima. O suspeito, de 20 anos, foi apontado como o possível autor do assassinato. Os dois teriam se desentendido durante a festa.

Segundo informações da Polícia Militar, o corpo do homem foi deixado na calçada de um pátio da prefeitura. Em seguida, o suspeito teria ido até a casa de uma tia, carregando a cabeça da vítima.

No local, o jovem teria tentado tirar a própria vida, porém, ele foi socorrido e encaminhado para o Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triangulo Mineiro, onde está sob escolta policial.

A Polícia Civil está investigando a motivação do crime. A vítima foi enterrada no último domingo (1°).

Leia Mais

Giro pelo Mundo

Voo inaugural de Teixeira de Freitas para Salvador reúne autoridades

Publicado há

em

Nesta segunda-feira (2) foi realizado o voo inaugural de Teixeira de Freitas para Salvador. O voo direto foi comemorado pelas autoridades que acompanharam o momento no Aeroporto de Teixeira de Freitas. Antes do voo, houve ainda a solenidade de batismo com o caminhão do Corpo de Bombeiros.

O prefeito Temóteo Brito celebrou a conquista. “Esta é uma grande luta, pois sabemos do potencial do nosso município e lutamos para que ele ganhe ainda mais representatividade, ter esse voo direto para a capital da Bahia é aumentar as possibilidades para nossa cidade”.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Turismo, Flávio Guimarães, destacou a conquista. “Isso é importante é para o desenvolvimento de nossa cidade, temos que ter opções de voos para nossos moradores e para que os investidores tenham mais facilidade de chegar, estamos agradecidos por esse momento”.

Para o presidente da Associação de Prefeitos do Extremo Sul da Bahia (APES), Léo Brito, esta  é uma conquista de todo extremo sul. “Hoje como representante da APES e dos municípios da região ressalto a importância para todos pois sabemos das dificuldades que enfrentamos por anos de deslocamento”.

Entre os passageiros que embarcaram neste voo, a professora Josinéia Cristal. “Nós aguardávamos isto há muito tempo, eu creio que quem ganha é nosso município, por receber mais espaço até para ter visibilidade para o mundo, Teixeira merece essa conquista”. (Da redação TH)

Leia Mais

Giro pelo Mundo

Delator preso pela Lava Jato diz ter lavado dinheiro para Grupo Silvio Santos

Publicado há

em

Preso e depois delator da Lava Jato, o operador financeiro Adir Assad afirma que lavou milhões de reais para o Grupo Silvio Santos por meio de contratos fraudados de patrocínio esportivo.

As afirmações estão em anexos de seu acordo de colaboração premiada firmado com integrantes da Operação Lava Jato.

Depoimentos do operador foram compartilhados entre procuradores do Ministério Público Federal no aplicativo Telegram. O conteúdo dessas conversas, obtido pelo The Intercept Brasil, foi analisado pela Folha e pelo site.

Nos relatos compartilhados, Assad não menciona especificamente o apresentador e empresário Silvio Santos, mas aponta como um dos contatos no grupo o sobrinho dele Daniel Abravanel e o uso da empresa que comercializa a Tele Sena.

O esquema funcionou em duas épocas distintas, segundo disse Assad ainda na época em que negociava a sua delação.

No fim dos anos 1990, o operador diz ter firmado contratos superfaturados de patrocínio entre suas empresas e pilotos da Fórmula Indy e da categoria Indy Lights. Naquela época, disse, ele se relacionava com Guilherme Stoliar, que hoje é presidente do Grupo Silvio Santos.

Assad contou que o SBT tinha necessidade à época de fazer um caixa paralelo, mas não sabe dizer com qual finalidade —se para remunerar bônus a executivos ou se para pagar propina no setor público.

Essa operação, estimou ele, movimentou R$ 10 milhões naquele período. Os pilotos patrocinados, contou, “apenas viabilizavam espaços de publicidade” e não sabiam das irregularidades nas transações. Entre os pilotos mencionados no relato do delator estão Helio Castroneves e Tony Kanaan.

O irmão de Assad, Samir, que trabalhava com ele e também virou delator, fez relato corroborando a história.

Na segunda fase, a partir de meados dos anos 2000, Assad diz ter feito contratos de imagem e de patrocínio na Fórmula Truck. Afirma que transferia aos esportistas uma pequena parte dos valores contratados e devolvia ao SBT o restante do dinheiro.

O depoimento aponta que a maior parte do dinheiro era devolvida em espécie a um diretor financeiro chamado Vilmar em um escritório do grupo, no centro de São Paulo.

A Liderança Capitalização, empresa responsável pela Tele Sena, pagou ao menos R$ 19 milhões para uma das firmas do operador, a Rock Star, de 2006 a 2011, diz documento elaborado na delação.

A Folha apurou que o diretor financeiro das empresas de Silvio Santos à época era Vilmar Bernardes da Costa.

Essa segunda fase, afirma Assad, começou após acerto feito com Daniel Abravanel e com o pai dele, Henrique Abravanel, irmão de Silvio.

O relato com acusações ao grupo dono do SBT, segundo a Folha apurou, foi incluído na versão final do acordo de colaboração do operador, firmado em 2017 e homologado na Justiça.

O capítulo que trata do grupo Silvio Santos seria enviado para a Justiça Federal de São Paulo, a quem cabe, eventualmente, autorizar medidas de investigação sobre o assunto. Detalhes do caso e da apuração permanecem sob sigilo até hoje.

O delator prometeu apresentar, como provas, registros da movimentação financeira de suas empresas e emails trocados à época.

O modelo de lavagem por meio do automobilismo é o mesmo relatado por diversos delatores da Lava Jato desde 2014, como empreiteiros da UTC e Carioca Engenharia que acusavam Assad de operar dessa maneira.

Ao virar delator, o operador admitiu irregularidades e, em relatos já tornados públicos, se definiu como um “gerador de caixa” para grandes empresas, principalmente empreiteiras.

Como regra, contou ele, entregava o dinheiro para seus contratantes sem saber o que cada um faria com os valores providenciados.

Na delação, aponta como uma das fontes de geração de dinheiro a atuação na categoria Stock Car, na qual chegou a ser sócio de uma escuderia.

Ele afirma que uma empresa sua, intermediária entre competidores e patrocinadores, comprava espaços de exposição de publicidade nos eventos e organizava ações promocionais nas corridas. As quantias declaradas nas notas fiscais, porém, eram muito superiores aos valores de fato dos patrocínios.

Sem se referir especificamente ao caso do Grupo Silvio Santos, Assad disse que, do valor cobrado dos patrocinadores, descontava cerca de 10%, que equivaliam à efetiva prestação do serviço. Outros 10% eram sua comissão pela sua atuação e cerca de 80% eram sacados e devolvidos a grandes empresas.

Assim, empreiteiras expuseram suas marcas por anos na competição automobilística, apesar de não costumarem fazer gastos expressivos com publicidade fora dali.

As atividades de Assad sofreram um baque em 2012, quando virou personagem da CPI que investigou os negócios do bicheiro Carlinhos Cachoeira. Na Lava Jato, ele foi preso em 2015.

Assad já foi condenado em quatro ações no Paraná e no Rio por crimes como lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Seu acordo de colaboração previa o pagamento de multa de R$ 50 milhões, juntamente com o irmão Samir e com um auxiliar. Ele deixou a cadeia em outubro do ano passado, depois de três anos detido, e hoje é obrigado a ficar em casa à noite e nos fins de semana.
OUTRO LADO

Procurados pela reportagem, o SBT e o Grupo Silvio Santos afirmaram, em uma nota, que, “por desconhecerem o teor da delação” de Adir Assad, não podem se manifestar a respeito.

“Aproveitamos para enfatizar que as empresas do GSS sempre pautaram suas condutas pelas melhores práticas de governança e dentro dos estritos princípios legais.”

A reportagem também procurou a defesa de Vilmar Bernardes da Costa, que afirmou que não pode se manifestar “sobre suposta delação sobre a qual não tem qualquer informação oficial”.

Ele também disse que sempre pautou sua “conduta profissional pelo estrito cumprimento de seus deveres éticos e legais”.

Os advogados de Adir Assad não comentam os termos do acordo de colaboração do operador.

Helio Castroneves, por meio de sua assessoria, disse apenas que não conhece Assad e que nunca teve qualquer negócio com o delator.

A Folha procurou também a assessoria de Tony Kanaan e deixou recados, mas não obteve manifestação sobre o assunto. (Folhapress e The Intercept Brasil)

Leia Mais

Notícias

Copyright @ 2019 Nordeste Dia a Dia - Todos os Direitos Reservados